Lo más importante es disfrutar la vida mientras podamos, porque andamos por ahí una sola vez y cuando se acabó, se acabó. W.A.

jueves, 24 de enero de 2008

Nos dias de aulas.

A gente diz que o português é muito fácil, isto não é um erro, mas é muito mais engraçado que fácil se nos textos dos seus livros você acha exemplos como os seguintes.

Taubaté, 10 de março.

Minha querida amiga Laura.

Aqui vão alguns conselhos para você que vai se casar dentro em breve. Seja paciente com seu marido e aprenda a ouvir e a não dizer nada. (É melhor não dizer nada do que criar problemas.) Use suas habilidades para conseguir dele o que você quer sem que ele perceba o que está acontecendo. Quando ele chegar em casa, exausto, irritado, seja agradável, converse, sorria, não discuta. Se ele quiser sair com você, vista sua roupa mais bonita para que ele se sinta feliz. Enquanto ele estiver assistindo ao futebol pela televisão, não o perturbe, mas sempre que for possível, ofereça lhe um cafezinho, um suco, talvez uns biscoitinhos...
Aconteça o que acontecer, fique sempre a seu lado. Confie nele. Acredite sempre em tudo o que ele lhe disser. Assim, querida amiga, haverá tranqüilidade em seu lar e ele será um marido feliz. E você, esposa dedicada, com certeza encontrará a sua felicidade. Boa sorte!
Um abraço cheio de amizade,
da Susana.


Até aqui, a carta não é nenhuma coisa extraordinária, mas o espirituoso fica na seguinte carta, quando a Laura responde para Susana.

Horianópolis, 20 de outubro.

Querida Susana.

Guardo bem guardada aquela carta que você me mandou há tanto tempo. Ela é minha Bíblia, minha Tábua dos Dez Mandamentos. Sempre achei que, seguindo os conselhos que você me deu, eu seria feliz. Mas acontece, eu não sei por quê, que meu casamento não está dando certo. O Arnaldo não é o marido com que eu sonhara. Imagine, ele não gosta de televisão e odeia o futebol. Quando estou cansada, ele corre para a cozinha e traz um chá pra mim! Nunca saímos à noite porque, diz ele, gosta ficar sozinho comigo, ouvindo música. Dinheiro Susana, não é problema: desde o início de nosso casamento, tenho uma conta no banco só pra mim. Posso fazer o que quiser sem dar explicações a ninguém! Como se isso não bastasse, o Arnaldo pede minha opinião sobre tudo e acha importante tudo o que eu digo. Eu não entendo.
Não agüento mais! Digam o que disserem, vou me separar dele. Amanha mesmo, depois que ele sair para o trabalho, arrumarei minhas malas e abandonarei esta casa. Vou para a casa de mamãe. Não posso mais me sujeitar a viver com um homem que não me trata como esposa! Que desilusão!
Laura.

Lembro que nos dias onde leiamos um texto como estes, ríamos muito e depois falavamos sobre o casamento... Ah aqueles tempos. Não esqueço o chistoso que era ler coisas como o caso da Laura e o Arnaldo, ainda mais se os exercícios serviam para decifrar o futuro deles.

Querido Arnaldo.

Sinto muito, mas esta é uma carta de despedida. Não posso mais continuar a seu lado porque o futuro será igual a todos os dias que passamos juntos até agora. Receio que, haja o que houver, você não mude de atitude. Custe o que custar, você continuará me tratando como se fosse apenas uma grande amiga sua, não sua esposa. Mas acredite, esteja onde estiver eu amarei do mesmo modo.
para onde for, levarei você comigo, no coração. E eu voltarei correndo, aconteça o que acontecer se você me quiser de volta. Basta chamar.

¬¬!
Sempre cri que a Susana não era Brasileira, era Mexicana.


Estudando para um possível CELPE-BRAS.

2 comentarios:

uliguldipolesis dijo...

Muita calma pra pensar.

[fa] dijo...

Muito tempo pra sonhar...